sábado, 14 de janeiro de 2017

Caso de Polícia! Chapa de Irlahi Moraes falsificou assinatura de prefeito de Marajá do Sena



Prefeita cometeu várias outras irregularidades, situação que fez com que sua candidatura à presidência da FAMEM fosse indeferida.
Ficha contém assinatura falsa do prefeito de Majará do Sena
No afã de agradar o grupo Sarney, que tentou ganhar fôlego político e mirou, sem sucesso, no comando da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), a prefeita Irlahi Moraes (PMDB) e seus assessores cometeram um crime grave, passível de pena que vai de pagamento de multa até prisão por um período de dois anos.
A peemedebista falsificou a assinatura do prefeito de Marajá do Sena, Lindomar Araújo (PROS), e a utilizou para tentar inscreve-lo como componente de sua chapa, cujo registro foi indeferido pela comissão que coordena o pleito.
Apenas o prefeito de Tuntum, Cleomar Tema (PSB), está apto a disputar a eleição, que acontece nesta segunda-feira (16), das 8h30 às 17h30, na sede da Federação, em São Luís.
A imagem de número 01 mostra o documento que Irlahi e seus assessores entregaram na última segunda-feira, último dia para registro de candidaturas, na diretoria da FAMEM. Nele, consta o nome de Lindomar, escrito de punho, como integrante da chapa comandada pela prefeita. É importante destacar que o documento e vários outros foram entregues por Irlahi e seus advogados fora do prazo estabelecido pela comissão eleitoral – ou seja, após as 18h – o que configurou o primeiro descumprimento das regras da eleição.
A imagem de número 02 mostra requerimento assinado por Lindomar Araújo e que foi encaminhado por ele para a diretoria da Federação solicitando a retirada de seu nome da chapa “FAMEM de Todos”, encabeçada por Irlahi.

Se o prefeito Lindomar não assinou o documento da chapa, então Irlahi falsificou sua assinatura…
No documento, Araújo afirma que não assinou nenhum documento e, tão pouco, autorizou que seu nome fosse colocado na chapa da peemedebista.
Ao blog do Carlinhos Filho, Lindomar foi mais incisivo e deu a seguinte declaração: “ “Não faço parte dessa chapa, não sou contra o Tema, pelo contrário, inclusive, tenho laço de parentesco com ele, sou primo do prefeito Tema”, disse.
A falsificação da assinatura do prefeito de Marajá do Sena foi apenas um dos inúmeros ilícitos cometidos por Irlahi Moraes. Na chapa que foi indeferida, ela também tentou inscrever outros dez prefeitos que não estavam filiados à entidade, situação que é proibida para registro de candidatura.
Foram por essas e outras que a chapa da prefeita de Rosário foi indeferida pela comissão eleitoral.
Agora, ela afirma que irá tentar judicializar o pleito. Trata-se, tão somente, de mais uma tentativa frustrada de promover tumulto e, é claro, agradar o senador João Alberto (PMDB), autor intelectual da natimorta candidatura de Irlahi.

domingoscosta

Nenhum comentário:

Postar um comentário