segunda-feira, 5 de junho de 2017

Atlas da Violência 2017: homicídios cresceram com Roseana e diminuíram com Flávio Dino




O Atlas da Violência 2017, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e divulgado nesta segunda-feira (5), mostra que o número de homicídios cresceram nos mandatos da ex-governadora Roseana Sarney e diminuíram na atual gestão de Flávio Dino. O estudo analisou os números e as taxas de homicídio no país entre 2005 e 2015 e detalha os dados por regiões, Unidades da Federação e municípios com mais de 100 mil habitantes.

De 2005 a 2014, a taxa de homicídios no Maranhão aumentou ano a ano, sem interrupção. Em 2005, eram 15,3 homicídios por 100 mil habitantes. Já no governo de Roseana Sarney as taxas de homicídio no Maranhão aumentaram consideravelmente. Em 2012 eram 26,5 mortes a cada 100 mil habitantes. No ano de 2013 passou para 31,8 e em 2014 a taxa tinha chegado a 35,9, no último ano do mandato da filha de Sarney.

Em 2015, quando Flávio Dino assumiu o governo, a tendência de alta foi finalmente revertida e o estado teve a primeira redução nos homicídios, chegando à taxa de 35,3 a cada 100 mil habitantes.

O Atlas da Violência ainda não traz os dados de 2016 e 2017, mas diversos outros levantamentos mostram que a violência continua caindo no Maranhão. Esses outros estudos usam metodologias diferentes. Mesmo com as diferenças, todos eles mostram a mesma coisa: redução nos homicídios.

Levando-se em conta os dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP), por exemplo, nos cinco primeiros meses deste ano, houve queda de 33% na comparação com o mesmo período de 2014 nos homicídios na Grande São Luís. Se comparado o ano inteiro de 2016 com o de 2014, a queda foi de 26%.

O Atlas da Violência 2017 analisou dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, referentes ao intervalo de 2005 a 2015, e utilizou também informações dos registros policiais publicadas no 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, do FBSP.




Nenhum comentário:

Postar um comentário